A busca por selfies perigosas já matou 259 pessoas entre 2011 e 2017, revelou um novo estudo, mas os autores da pesquisa acreditam que esse número pode ser ainda maior.

O estudo compilou notícias sobre mortes de pessoas enquanto tentavam tirar fotos de si mesmas em situações arriscadas.

São casos como o do jovem Gavin Zimmerman, de 19 anos, que, em julho deste ano, caiu de um penhasco na Austrália enquanto fazia uma foto.

O mesmo aconteceu com Tomer Frankfurter, que caiu de uma altura de 250 metros enquanto registrava uma selfie no Parque Nacional Yosemite, nos Estados Unidos.

Afogamento, acidentes de transporte e quedas foram as causas mais comuns. Também foram frequentes eletrocuções e mortes causadas por incêndio, animais e armas de fogo.

Analisando os dados, pesquisadores da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos recomendaram que sejam criadas áreas proibidas para selfies em locais perigosos para prevenir estas mortes.

Isso incluiria topos de montanhas, edifícios altos e lagos, onde muitas das mortes ocorreram.

Mortes por selfie vêm aumentando

Os pesquisadores afirmam que mortes relacionadas a selfies foram mais comuns na Índia, nos Estados Unidos, na Rússia e no Paquistão. Cerca de 72% das vítimas eram homens.

A pesquisa também mostra que no número de mortes está aumentando. O estudo encontrou apenas três relatos de mortes do tipo em 2011. Foram 98 em 2016 e 93 em 2017.

Os pesquisadores ainda afirmam que o número pode ser maior, porque fazer uma selfie quase nunca é registrado como a causa da morte.

“Acredita-se que mortes por selfies são subnotificadas. A verdadeira magnitude do problema é subestimada”, diz o estudo.

“É preciso lidar com este problema. É importante entender as causas e motivos para que intervenções adequadas sejam feitas.”